domingo, 7 de dezembro de 2014

Mais um "achado".
Achei que tinha jogado fora, porque na época, morria de vergonha.
Eu era muito burro e não sabia.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

quinta-feira, 3 de abril de 2014

VERSOS EM CARNE VIVA

sombras do dia entre lua e sol
nuvens vestidas para a chuva
lapsos de mim na memória turva
fantasmas de vento sob o lençol

que imenso prazer não ser nada
não querer mais nada nesta vida
somente enfiar a alma na ferida 
e sentir a dor escrita e escarrada

antonio thadeu wojcioechowski
Triste não é quando acaba a margarina.
Triste é quando você percebe que em 3 milhões de habitantes
você só tem o psiquiatra, a terapeuta e a advogada prá conversar.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Baú de 1999

Nada muda
só a lua gira.
O luar é sempre o mesmo,
sempre o mesmo giro.

Minha mente aflita, confusa
 selenita.
Habita-a o movimento.

em direção: onde?
neste tempo: quando?
sempre rumo ao passado
perseguindo o futuro
eu ando.
Do fundo do Baú, dos velhos cadernos de rabiscos...

1990?
Nosso amor é algo
que transcende e atravessa a claridade
que há no céu esmaecida.
Nosso amor vem de um lugar distante
nosso amor, é um amor errante
sem medo e sem medida

1993

Das duvidas senhores, fiz um ramalhete
e as pus enfileiradas em ordem crescente
da mais tola à mais sublime:
que fazer com a barriga?
e o quebrado do dente?
vai na igreja e se persigna?
mas eu nem sou crente!

"Acaso, amoral e extremamente violento"
frase de filme, perdida  na memória
falando sobre o universo
esta metáfora que se mostra todas as noites
mas na verdade, já acabou faz tempo.

1994

Qual a cara da falsidade?
será feia ou bonita? terá que idade?
Será que acredito no que ela me diz?
ou deixo prá lá! não foi por maldade.

Qual será o motivo
de tamanha leviandade?
Será normal na adolescência?
ou fui eu que já passei da idade.

Cuidado menina! a amizade
é um bem mais que precioso.
Não se acha com facilidade.

Além do mais, mentira tem perna curta!
O nariz cresce, o rabo espicha...
e eu não sou nada seu, não há necessidade.


1995

Certas horas, quando vejo
teu antigo olhar, antes tão perto,
sorrindo como te lembro sempre
forte, como o sol no deserto.

É que penso estar sempre tão longe
a chama pura do amor que espero,
pois vejo-me sempre onde não quero
e perco-te assim quotidianamente.

Vou em frente, porém me sinto mais velho
mais triste, estrela a reclamar sua aresta;
e hoje doeu-me tanto a tua distância...
que faço-te poemas, pois, o que me resta?
Meu amor só te consigo dar em versos
e da minha dor só um soneto se levanta.


sábado, 23 de fevereiro de 2013



Todas as sextas-feiras em Olinda, acontece uma serenata pelas ruas da cidade.
Minha primeira participação.
Obrigado Elis pela foto ótima.